sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A ÉTICA DE SPINOZA

 

Ao contrário do que pode sugerir o título, a obra consiste numa meditação sobre Deus, concebida em termos puramente racionais, apresentada seguindo o modelo das obras matemáticas e geométricas que faziam aparição, dando início à Época Moderna. Escrito provavelmente na década de sessenta do século XVII, editou-se, juntamente com os textos que havia publicado em vida, postumamente, em 1677.

Sendo profundamente religioso, Espinosa entende que para alcançar serena e terna bem-aventuranças, o homem precisa dispor de um conhecimento correto de Deus. Para indicar o caminho a ser percorrido na conquista de tal objetivo, vale-se das indicações de Descartes quanto ao método, a fim de eliminar as representações confusas e chegar a idéias claras e distintas.

Espinosa afirma que dispomos destes tipos de representações: as que provém da simples transmissão verbal; as que nascem por experiência vaga; as originadas pela relação de um efeito com sua causa; e as que proporcionam um conhecimento intuitivo e direto do objeto estudado na forma proporcionada pelas verdades matemáticas. Sendo este último o único conhecimento autêntico, cabe-nos investigar as notas constitutivas do objeto de modo análogo a definição das figuras geométricas.

Se estabelecermos deste modo os atributos de Deus, verificaremos que a ordem e contexto das idéias, como elementos simples e irredutíveis, correspondem à ordem e conexão das coisas.

Seguindo a Descartes, Espinosa aceita que só tenhamos acesso à extensão e ao pensamento, mas o corrige ao afirmar que este corresponde à manifestação de uma substância única, Deus. A legalidade natural decorre dessa substância única. Podemos, portanto, ter conhecimento geométrico (vale dizer, intuitivo e certo) de Deus.

No contexto histórico em que viveu e tendo em vista a sua formação religiosa, tais afirmativas correspondem ao corolário da idéia de que a natureza está escrita em linguagem matemática. Essa idéia constitui um dos elementos impulsionadores da ciência moderna, ainda que de origem mística, há de se ter tornado cara a Espinosa na medida em que tem familiaridade com o conhecimento místico dos judeus, a Cabala, que repousa justamente na fixação de relação rigorosamente estabelecida.

A par disto, essa crença na ciência e no poder da matemática era algo de relativamente difundido na Europa do Norte, em especial na Holanda, do mesmo modo que o pensamento de Descartes (1506-1650). Este também se refugiara na Holanda, onde viveria por largo período (de 1628 a 1640). Espinosa conhece com profundidade a sua obra e o seu primeiro livro é um comentário a Renati Descartes Principia philosophiea, que aparecera em 1644. No decênio anterior, a proibição pela Igreja Romana do Diálogo de Galileu (1564-1642) fez surgir um grande movimento em seu apoio nos países protestantes. No caso particular da Holanda, a própria Casa Real prestara-lhe solidariedade. 

Nesse país era grande o interesse pela matemática e pelos assuntos relacionados à navegação. Ainda não há na Europa o que mais tarde ficou conhecido como comunidade científica. Mas já se pode falar do estabelecimento de uma utopia científica, a propósito do que escreve Ben-David: “Os criadores dessa tendência foram Peter Ramus e Bernard Palissy, seguidos por Francis Bacon. Comenius, Samuel Hartlib e outros. Estavam interessados pela educação universal e por projetos de longo alcance de cooperação científica e tecnológica que, segundo esperavam, levariam à conquista da natureza e ao aparecimento de uma nova civilização. Acreditavam numa redenção do mundo que se tornaria possível através da ciência, da tecnologia e de sua organização e apoio eficientes” (O papel do cientista na sociedade, trad. bras., São Paulo, Pioneira, 1974, p. 103).

De sorte que as idéias de Espinosa circulam nesse clima. Terá sido a sua visão “científica” de Deus que chocara aos rabinos de Amsterdã? Talvez não diretamente, mas o fato visível de que, em relação a Maimônides, inverte nitidamente as posições. Isto é, os dogmas agora precisam passar pelo crivo da razão e não simplesmente usar os argumentos da filosofia para mostrar a superioridade da revelação. No sistema de Espinosa, não tem lugar a criação do mundo nem os milagres.

O sistema de Espinosa compõe-se do Tratado para reforma do entendimento, que é uma espécie de introdução à metodologia; da Ética e do Tratado Político, que deixou incompleto, embora se manifeste sobre temas tradicionalmente considerados nessas disciplinas, isto é, as formas de governo. Estes livros aparecem na edição das Obras Póstumas, que vieram a luz no próprio ano de sua morte, em 1677. Por solicitação do regente holandês Jan de Witt, escreveu o Tratado das Autoridades Teológico-Políticas, que é a defesa da tolerância religiosa, editado em 1670. Em 1672, tem lugar a derrubada de Witt do poder, passando também a Holanda a experimentar um ciclo de intolerância e perseguição religiosa.

No tempo que lhe restou de vida, além de completar o sistema, Espinosa prepara uma tradução ao holandês do Pentateuco e uma gramática hebraica, o que é uma indicação expressiva de que não pretendera tocar no núcleo central da herança de seu povo, consistente na simbiose entre religião e moral, mas apenas em difundi-lo na linguagem de seu tempo, a exemplo do que fizeram tantos outros eruditos judeus, em seus respectivos momentos.
 
 Fonte:
http://www.videeditorial.com.br/
dicionario-obras-basicas-da-cultura-ocidental/d-e/

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

ENCICLOPÉDIA GALÁCTICA - Carl Sagan






Cosmos - Episódio 12: Enciclopédia Galáctica 
- (Dublado em Português)- 1:00:50 - 

 Carl Sagan examina os relatos persistentes de visitantes extraterrestres à Terra e argumenta que não se encontram, entre todas as histórias de UFOs, Não há alguma prova física convincente. Numa recriação da decifração da pedra da Rosetta, ele conduz-nos ao Egito, onde Jean François Champollion foi pioneiro na decodificação das mensagens hieroglíficas deixadas por uma antiga civilização. A "Pedra da Rosetta" da comunicação interestelar, argumenta ele, é a própria ciência. 

O maior radiotelescópio do mundo está permanentemente capaz de receber mensagens radio enviadas por civilizações estranhas de qualquer ponto da Via Láctea. Na nave espacial da imaginação do Dr. Sagan, este permite-nos uma rápida viagem através de um "Enciclopédia Galáctica", até ao banco de dados de um mínimo de planetas de outras estrelas.

Mais informações: 
http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Cosmos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan
http://www.documentarios.org/serie/detalhar/26/serie_cosmos 
http://www.aeroespacial.org.br/educacao/documentarios.php

A VIDA DAS ESTRELAS - Carl Sagan



 

Cosmos -As Vidas das Estrelas  
- (Dublado em Português)- 59:38 -  Episódio 09

. A maioria dos átomos dos nossos corpos foram feitos no interior das estrelas. "Somos matéria estelar". Com animação computadorizada e espantosa arte astronômica, nôs é mostrado como as estrelas nascem, vivem e morrem. Carl Sagan persegue a origem e a natureza dos buracos negros, objetos com uma gravidade de tal ordem que a luz não consegue sair deles.

O "último dia perfeito" da terra é representado daqui a 5 bilhões de anos, após o que o Sol, entrando na fase vermelha gigante, reduzirá a Terra a cinzas carbonizadas. Testemunhamos a explosão de estrelas distantes que produzem raios cósmicos que provocam mutações nos seres da Terra.

No sentido mais profundo, a origem, evolução e destino da vida do nosso planeta estão relacionados com a evolução do Cosmos. 

Mais informações:
http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Cosmos 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan 
http://www.documentarios.org/serie/detalhar/26/serie_cosmos
http://www.aeroespacial.org.br/educacao/documentarios.php«

O LIMIAR DA ETERNIDADE - Carl Sagan





 Cosmos - Episódio 10: O Limiar Da Eternidade
- (Dublado em Português)- 1:03:08 - 

Qual é a origem do universo? 
Qual é o seu destino? 
Continuará a expandir-se para sempre ou sofrerá um dia um colapso? Carl Sagan explora o tempo em que as estrelas e galáxias se começaram a formar, e mostra como neste século os seres humanos descobriram a expansão do Universo. Vamos até à Índia onde uma velha cerimônia comemora os ciclos da Natureza. Tal como os modernos astrofísicos, a mitologia Hindu fala de um universo velho de bilhões de anos e da possibilidade de ciclos eternos de morte e renascimento. 

São explorados mundos de duas e quatro dimensões antes do Dr. Sagan desaparecer num buraco negro. Ele conduz-nos então às planícies do Novo México onde 27 rádio-telescópios gigantes sondam as mais longínquas fronteiras do espaço onde os astrônomos conjecturam qual o destino que aguarda o Cosmos: expansão eterna sem limites ou oscilação sem fim. 

 
Mais informações: 
http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Cosmos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan 
http://www.documentarios.org/serie/detalhar/26/serie_cosmos 
http://www.aeroespacial.org.br/educacao/documentarios.php«

VIAGENS NO ESPAÇO E NO TEMPO - Carl Sagan





Cosmos - Episódio 08: Viagens no Espaço e no Tempo
- (Dublado em Português)-1:01:37 - 

Episódio 8: Viagens no Espaço e no Tempo . Há mais estrelas no Cosmos que grãos de areia em todas as praias da Terra. Se conseguíssemos observar os céus durante milhões de anos, as constelações mudariam de forma conforme as estrelas que as compõem se movem e evoluem. Com Carl Sagan, circundamos a Ursa Maior para a vermos sob uma nova perspectiva. Numa máquina do tempo, exploramos o que sucederia se pudesse alterar o passado. Viajamos até aos planetas de outras estrelas. Refazemos o sonho de adolescente de Albert Einstein de viajar num feixe de luz; a sua teoria da relatividade prevê que cerca da velocidade da luz produziria estranhos efeitos, mas daria aos exploradores espaciais a possibilidade de, numa só vida, irem até ao centro da galáxia. Voltariam, contudo, a uma Terra muito mais velha do que aquela de onde haviam partido.


. Há mais estrelas no Cosmos que grãos de areia em todas as praias da Terra. Se conseguíssemos observar os céus durante milhões de anos, as constelações mudariam de forma conforme as estrelas que as compõem se movem e evoluem. Com Carl Sagan, circundamos a Ursa Maior para a vermos sob uma nova perspectiva. Numa máquina do tempo, exploramos o que sucederia se pudesse alterar o passado.

Viajamos até aos planetas de outras estrelas. Refazemos o sonho de adolescente de Albert Einstein de viajar num feixe de luz; a sua teoria da relatividade prevê que cerca da velocidade da luz produziria estranhos efeitos, mas daria aos exploradores espaciais a possibilidade de, numa só vida, irem até ao centro da galáxia. Voltariam, contudo, a uma Terra muito mais velha do que aquela de onde haviam partido.

Mais informações:
http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Cosmos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan
http://www.documentarios.org/serie/detalhar/26/serie_cosmos
http://www.aeroespacial.org.br/educacao/documentarios.php 
Episódio 8: Viagens no Espaço e no Tempo 

AS ORIGENS DA VIDA - Carl Sagan

 
 
 
Cosmos - Uma Voz na Sinfonia Cósmica
- (Dublado em Portugues)- 1:00:08
 
Episódio 2: Uma Voz na Sinfonia Cósmica. Como começou a vida na Terra? Há outros seres vivos em outros mundos? Carl Sagan explora a origem, evolução e diversidade da vida na terra. Com uma espantosa animação computadorizada, entramos no coração de uma célula viva para lhe examinarmos a molécula da vida: o DNA. Para compreender como a evolução ocorre, o Dr. Sagan acompanha a história do caranguejo japonês Heike, cuja forma tem gradualmente mudado conforme se foi selecionando quais os caranguejos que deveriam viver e quais os que deveriam morrer.  Vamos assistir a experiências laboratoriais que nos darão idéia dos primeiros passos que conduziram à origem da vida. Seqüências animadas espetaculares acompanham a evolução humana a partir de organismos unicelulares que existiam nos oceanos. E, finalmente, conheceremos as diferentes formas de vida que poderiam habitar uma atmosfera como a do planeta Júpiter, os "caçadores", "flutuadores" e "mergulhadores". Acompanhe o Dr. Carl Sagan nestaincrível jornada rumo aos segredos do universo desconhecido.
  Mais informações:
http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Cosmos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan 
http://www.documentarios.org/serie/detalhar/26/serie_cosmos 
http://www.aeroespacial.org.br/educacao/documentarios.php 
( Andrelz ) Cosmos Carl Sagan Ann Druyan Dublado 
Vida Universo Evolução Charles Darwin Biologia 
Origem das Espécies Filososia Andrelz«

A HARMONIA DOS MUNDOS - Carl Sagan






 A Harmonia Dos Mundos -
 - (Dublado em Português)- 58:35 - 2 anos atrás
 
Episódio 3: A Harmonia dos Mundos . Em todo o mundo, os nossos antepassados de todas as culturas tiveram conhecimentos próprios de astronomia. As suas vidas disso muito dependiam. Mas a caminhada humana desde os mais remotos astrônomos aos modernos exploradores do Cosmos derivou numa pseudociência chamada astrologia.  O último astrólogo científico foi também o primeiro astrônomo moderno: Johannes Kepler. Kepler lutou pela busca de uma harmonia nos céus e deu um passo fundamental para nos conduzir à era científica. O segredo que conduziu Kepler foi um respeito descomprometido pela observação dos céus, mesmo quando, agonizante, o confrontaram com as mais enraizadas crenças que acarinhava. Os profundos conhecimentos de Kepler ensinaram-nos como a Lua e os planetas se movem nas respectivas órbitas e, mais recentemente, como viajar para eles. 

Mais informações: http://www.carlsagan.com/ http://pt.wikipedia.org/wikiCosmos http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Sagan http://www.documentários

AS ORIGENS DA VIDA - Carl Sagan

 
 
Cosmos - Uma Voz na Sinfonia Cósmica -
(Dublado em Portugues) Duração: 1:00:08
 
 
Episódio 2: Uma Voz na Sinfonia Cósmica. Como começou a vida na Terra? Há outros seres vivos em outros mundos? Carl Sagan explora a origem, evolução e diversidade da vida na terra. Com uma espantosa animação computadorizada, entramos no coração de uma célula viva para lhe examinarmos a molécula da vida: o DNA. Para compreender como a evolução ocorre, o Dr. Sagan acompanha a história do caranguejo japonês Heike, cuja forma tem gradualmente mudado conforme se foi selecionando quais os caranguejos que deveriam viver e quais os que deveriam morrer.  Vamos assistir a experiências laboratoriais que nos darão idéia dos primeiros passos que conduziram à origem da vida. Seqüências animadas espetaculares acompanham a evolução humana a partir de organismos unicelulares que existiam nos oceanos. E, finalmente, conheceremos as diferentes formas de vida que poderiam habitar uma atmosfera como a do planeta Júpiter, os "caçadores", "flutuadores" e "mergulhadores". Acompanhe o Dr. Carl Sagan nesta... 
 
 

OS LIMITES DO OCEANO CÓSMICO -

COSMOS- CARL SAGAN - Videos completos



Cosmos de Carl Sagan 
dublado em português-YouTube

Episódio 1 - Os Limites do Oceano Cósmico - 
O 1° capítulo da série Cosmos.
Partindo dos limites do grande oceano espacial, Carl Sagan embarca numa imensa viagem cósmica que começa a 8 bilhões de anos-luz da Terra. A bordo da nave espacial da sua imaginação, ele transporta-nos às maravilhas do Cosmos: quasares, galáxias em espiral, nebulosas,supernovas e pulsares.
Deslizamos então para lá de Plutão, dos anéis de Urano, do majestoso
sistema de saturno, e da luminosidade do lado noturno de Júpiter.Penetrando nas nuvens da Terra, encontramo-nos no Egito, onde Eratóstenes pela primeira vez mediu a Terra. O Dr. Sagan mostra-nos como isso foi feito.
A Biblioteca de Alexandria, berço da aprendizagem da Antiguidade,
ressuscita em toda a sua glória - para ilustrar a fragilidade do conhecimento. É então que, para nos fazer compreender a enormidade do tempo que passou desde o Big bang até hoje, Sagan nos apresenta o "Calendário Cósmico".
No YouTube ;
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6

No VideoGoogle completo ;
Em breve colocarei neste tópico os outro episodios da série.
AndréLuiz

Episódio 2: Uma Voz na Sinfonia Cósmica.
Como começou a vida na Terra? Há outros seres vivos em outros mundos?
Carl Sagan explora a origem, evolução e diversidade da vida na terra.
Com uma espantosa animação computadorizada, entramos no coração de uma
célula viva para lhe examinarmos a molécula da vida: o DNA.
Para compreender como a evolução ocorre, o Dr. Sagan acompanha a
história do caranguejo japonês Heike, cuja forma tem gradualmente mudado
conforme se foi selecionando quais os caranguejos que deveriam viver e
quais os que deveriam morrer. Vamos assistir a experiências
laboratoriais que nos darão idéia dos primeiros passos que conduziram à
origem da vida. Seqüências animadas espetaculares acompanham a evolução
humana a partir de organismos unicelulares que existiam nos oceanos.

E,finalmente, conheceremos as diferentes formas de vida que poderiam
habitar uma atmosfera como a do planeta Júpiter, os "caçadores",
"flutuadores" e "mergulhadores".
Acompanhe o Dr. Carl Sagan nesta incrível jornada rumo aos segredos do
universo desconhecido.
No YouTube;
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6
Parte 7

No VideoGoogle completo ;

Episódio 3: A Harmonia dos Mundos .
Em todo o mundo, os nossos antepassados de todas as culturas tiveram
conhecimentos próprios de astronomia. As suas vidas disso muito  dependiam. Mas a caminhada humana desde os mais remotos astrônomos aos
modernos exploradores do Cosmos derivou numa pseudociência chamada
astrologia.

O último astrólogo científico foi também o primeiro astrônomo moderno:
Johannes Kepler. Kepler lutou pela busca de uma harmonia nos céus e deu
um passo fundamental para nos conduzir à era científica. O segredo que
conduziu Kepler foi um respeito descomprometido pela observação dos
céus, mesmo quando, agonizante, o confrontaram com as mais enraizadas
crenças que acarinhava.
Os profundos conhecimentos de Kepler ensinaram-nos como a Lua e os
planetas se movem nas respectivas órbitas e, mais recentemente, como
viajar para eles.
No YouTube;
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6

No Googlevideo completo;

Episódio 4: Céu e Inferno .
Em 1908, na Sibéria, uma explosão misteriosa abalou a paisagem,
projetando árvores a milhares de quilômetros de distância e produzindo
um som que se ouviu em todo o mundo. Teria uma nave espacial
extraterrestre sofrido um acidente nuclear? Carl Sagan examina os
testemunhos e conclui que a Terra foi atingida por um pequeno cometa. Um
modelo do sistema solar demonstra a possibilidade de outros planetas
terem sofrido impactos semelhantes. Tal como Immanuel Velikovsky
proclamava, teria o planeta Vênus sido já um cometa gigante? O Dr. Sagan
conclui que não, que as provas não confirmam a afirmação.
Embarcamos numa viagem descendente através da atmosfera infernal de
Vênus, para explorar a superfície de braseira, atingida esta pelo
chamado efeito de estufa. O destino de Vênus pode ser uma história de
alerta para o nosso mundo. O Dr. Sagan lança um aviso sensato para que
sejam tomadas medidas de proteção do frágil planeta azul, a Terra.
No YouTube;
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6

No Videogoogle completo .

Episódio 5: O Blues do Planeta Vermelho .
O planeta Marte vem fascinando os humanos há séculos, tanto na ficção
científica quanto na ciência real. Carl Sagan nos conduz ao Observatório
Percival Lowell, construído no Arizona, para estudar os "canais" de
Marte, que Lowell acredita terem sido construídos por uma civilização
extinta. Há alguns anos, duas espaçonaves Vikings pousaram em Marte. O
Dr. Sagan nos mostra o pouso das naves e demonstra o maravilhoso
equipamento que enviou milhares de fotos e informações para a Terra.
Explorando a superfície do planeta vermelho, Viking não achou nenhuma
indicação, nenhum artefato, ou qualquer tipo de vida inteligente. Mas a
possibilidade de vida microscópica, passada ou presente, ainda permanece
em discussão. Segundo os estudos realizados, se já houve vida em Marte,
ela desapareceu... ou pode estar em qualquer outro lugar do universo ...
até mesmo na Terra!
No YouTube.
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6
Parte 7

No Videogoogle completo .

Episódio 6: A Saga dos Viajantes.
Há trezentos anos a Holanda começou a enviar seus navios mundo afora
recolhendo dados sobre nosso planeta; hoje espaçonaves já navegam para
todos os planetas conhecidos de nossos ancestrais. Carl Sagan leva-nos
ao Laboratório de Propulsão a Jato para compararmos a empolgante viagem
exploratória a bordo de um navio com a emocionante experiência dos
cientistas que presenciaram as primeiras imagens das luas de Júpiter,
tomadas pela espaçonave Voyager. Comandada pela Dr. Sagan, a espaçonave
da imaginação segue a trilha da Voyager levando-nos aos anéis de Saturno
e a seu satélite Titã, cuja atmosfera é rica em material orgânico. E
após explorar Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, a nave Voyager
continuará cruzando para sempre o grande oceano interestelar.
No YouTube.
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6

No Googlevideo esta inteiro .

Episódio 7: A Espinha Dorsal da Noite.
O que são as estrelas? Tempos houve em que os humanos curiosos
imaginaram que as estrelas eram fogueiras no céu, mantidas acesas por
magia, ou pensaram que a Via Láctea era a "Coluna Vertebral da Noite".
Há 2300 anos, na ilha grega de Samos, um homem de nome Aristarcos
sugeriu que era o Sol e não a Terra que estava no centro do sistema
solar. Ele foi o culminar duma tradição com 200 anos, agora amplamente
esquecida, segundo a qual leis naturais e não deuses caprichosos regiam
o universo. Na caverna de Pitágoras, em Samos, Carl Sagan descobre
também um lado diverso do pensamento grego, o mundo místico guardado por
uma irmandade erudita que trabalhava para ocultar do povo o conhecimento
que possuía. O tema deste episódio é o nascimento do pensamento
científico na nossa civilização e em nós mesmos. O Dr. Sagan viaja de
volta ao bairro de Brooklyn onde ele próprio se começou a envolver no
estudo do universo.
No Youtube.
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Parte 5
Parte 6

No Googlevideo completo .

Episódio 8: Viagens no Espaço e no Tempo . Há mais estrelas no Cosmosque grãos de areia em todas as praias da Terra. Se conseguíssemosobservar os céus durante milhões de anos, as constelações mudariam deforma conforme as estrelas que as compõem se movem e evoluem. Com CarlSagan, circundamos a Ursa Maior para a vermos sob uma nova perspectiva.Numa máquina do tempo, exploramos o que sucederia se pudesse alterar o passado. Viajamos até aos planetas de outras estrelas. Refazemos o sonhode adolescente de Albert Einstein de viajar num feixe de luz; a suateoria da relatividade prevê que cerca da velocidade da luz produziria
estranhos efeitos, mas daria aos exploradores espaciais a possibilidade
de, numa só vida, irem até ao centro da galáxia. Voltariam, contudo, a
uma Terra muito mais velha do que aquela de onde haviam partido.
No Youtube em partes ;

Parte 1
http://www.youtube.com/watch?v=ymCbpzpM9k4
Parte 2
http://www.youtube.com/watch?v=MkcIej2kv6E
Parte 3
http://www.youtube.com/watch?v=H56eQ_pwYY0
Parte 4
http://www.youtube.com/watch?v=5M-DkpvKlgI
Parte 5
http://www.youtube.com/watch?v=-swlGKrWoCw
Parte 6
http://www.youtube.com/watch?v=jbl9MxGbUwY

No Videogoogle completo;
http://video.google.com/videoplay?docid=6816313831361139078

Episódio 9: As Vidas das Estrelas .
A maioria dos átomos dos nossos corpos foram feitos no interior das
estrelas. "Somos matéria estelar". Com animação computadorizada e
espantosa arte astronômica, nôs é mostrado como as estrelas nascem,
vivem e morrem. Carl Sagan persegue a origem e a natureza dos buracos
negros, objetos com uma gravidade de tal ordem que a luz não consegue
sair deles. O "último dia perfeito" da terra é representado daqui a 5
bilhões de anos, após o que o Sol, entrando na fase vermelha gigante,
reduzirá a Terra a cinzas carbonizadas. Testemunhamos a explosão de
estrelas distantes que produzem raios cósmicos que provocam mutações nos
seres da Terra. No sentido mais profundo, a origem, evolução e destino
da vida do nosso planeta estão relacionados com a evolução do Cosmos.

No YouTube.
Fonte:
Grupo "Genismo"
Jocax <jocax@usp.br> escreveu:
André Luiz disponibilizou os seguinte videos:

ASTROFÍSICA



Astrofísica é o ramo da Astronomia que lida com a Física do Universo, incluindo suas propriedades físicas (luminosidade, densidade, temperatura, composição química) de objetos astronômicos como estrelas, galáxias e meio interestelar, e também das suas interações. Na prática, todas as pesquisas astronômicas modernas envolvem uma quantia substancial da Física teórica e experimentos práticos.


A Astrofísica não deve ser confundida com a Cosmologia, esta se ocupa da estrutura geral do universo e das leis que o regem num sentido mais amplo, embora sob muitos aspectos ambas seguem um caminho paralelo, algumas vezes considerado redundante.

A natureza físico-química da matéria 

A Astrofísica além de determinar as constantes universais, é o ramo da física que demonstra a natureza dos corpos celestes através de instrumentação científica.

A razão da determinação de parâmetros tem fundamental importância sobre a busca do conhecimento a todos os eventos universais. Não se pode dissociar o espaço-tempo em tempo e espaço, da matéria e da energia, e estes sim são mensuráveis.

Perguntas da humanidade sobre a natureza do Cosmo
Qual é a idade do universo e das estrelas que o compõe? Sua composição? Como sabemos se as estrelas estão consumindo seu combustível e a que velocidade? O efeito da gravidade pode desviar a luz e distorcer o espaço?


Espectrofotogrametria

Como a Astrofísica procura responder
Fazendo-se uma análise espectrográfica através do espectrofotômetro de absorção atômica temos como verificar se um astro está se movendo, em que direção e velocidade. Podemos saber se existe um desvio da luz causado pela gravidade de algum corpo próximo, a composição das estrelas e dos gases que estão dispersos, entre estas e o instrumento que faz a medição. Sempre quando verificamos o espectro de uma estrela, observamos que suas linhas espectrais desviam para o vermelho. Isto se dá, porque ela está se afastando, ao contrário, se estiver se aproximando, o desvio será para o azul. As falhas devido à absorção atômica indicam sua composição. A distância entre linhas espectrais indica vários parâmetros, inclusive a presença de gases e poeira entre a estrela e a Terra.

Outros exemplos de instrumentos usados em astrofísica são os aceleradores de partículas, entre outros equipamentos, estes podem determinar a composição inicial de nosso universo e o comportamento das partículas elementares ao nível de microcosmo.

O telescópio óptico, o radiotelescópio, entre outros, também são exemplos do uso de instrumentação física experimental para a análise e dedução de parâmetros de corpos estelares.

As técnicas de análise
quando um corpo se desloca em alta velocidade há um desvio para o vermelho

No início do século XX em torno de 1910-1912 começou o estudo espectral das galáxias. Em torno de 1917 o astrônomo holandês Willen de Sitter demonstrou teoricamente através da relatividade geral que o Universo se expandia, faltando apenas a comprovação "prática". Na mesma época foi constatado que em sua imensa maioria, as galáxias têm um desvio para o vermelho que aumenta progressivamente e proporcionalmente à distância.

Lei de Hubble-Homason
Edwin Powell Hubble e seu colega Milton L. Homason que deduziram uma relação entre a abertura angular “característica universal associada a perspectiva afastamentos de objetos distantes” e o exame espectroscópio com sua aceleração, encontrando a equação conhecida como Lei de Hubble-Homason onde: "Vm=16r", "Vm" é a velocidade de afastamento da galáxia, dada em quilômetros por segundo, e "r" expressa a distância entre a Terra e a galáxia em estudo, dada em unidades de milhões de anos luz, esta descoberta é considerada o início da moderna astrofísica.

 Os passos da astrofísica
A Astrofísica iniciou-se no momento em que os humanos olharam para o firmamento com curiosidade científica e tentaram comparar os fenômenos celestes aos fenômenos terrestres. Não se pode datar um início desta ciência, porém, pode-se ter uma idéia de seu desenvolvimento através dos tempos.

 Abóbada celeste
Acredita-se que os primeiros filósofos da Antigüidade clássica foram os precursores da astrofísica desenvolvendo novos conceitos e estabelecendo as primeiras regras para nortear a pesquisa racional do Universo.

Tales de Mileto foi fundador da escola de Mileto. Já naquela época imaginava que o céu era uma abóbada e esta estaria dividida em cinco círculos, o ártico, trópico de verão, o equador, o trópico de inverno e finalmente o antártico. Explicou o eclipse do Sol e que a Lua é por ele iluminada.

Anaximandro de Mileto, utilizou as proporções matemáticas e geométricas para tentar mapear a abóbada celeste, elaborou tratados sobre astronomia, cosmologia e geografia.

O conceito de abóbada celeste e o estabelecimento de um sistema de coordenadas de espaço foi uma descoberta importante que levou à astronomia esférica ou astronomia de posição, assim, as posições dos astros puderam ser determinadas e catalogadas racionalmente.

Este processo de catalogação é executado até a atualidade e continuará a ser usado, acredita-se por muito tempo.
Fonte: Wikpedia